quinta-feira, 2 de junho de 2011

As Rosas Não Falam, mas eu sinto: Cartola tinha razão.

Bate outra vez...
- Em um tempo sem tempo pra mim
Com esperanças o meu coração...
- Adulterado ainda no mesmo poema
Pois já vai terminando o verão...
- E os dias se arrastam pelas folhas e sorrisos
Enfim...
- Eu tenho o cartola.

Volto ao jardim...
- Com a sorte de um velho cartola
Com a certeza que devo chorar...
- Com a esperança, e a alegria do mestre,
Pois bem sei que não queres voltar...
- Feito teimosia de poeta que inflama meu coração
Para mim...
- Apenas para mim
Queixo-me às rosas...
- Nessas horas tão ridículas e mal amadas
Mas que bobagem...
- É tudo poesia e charme da minha solidão
As rosas não falam...
- Elas apenas são pedaços de um sonho
Simplesmente as rosas exalam...
- Todo o sentido de um mundo em pequenos versos
O perfume que roubam de ti, ai...
- Agora ausente pelo amargo presente instante
Devias vir...
- Lenta como uma suave melodia
Para ver os meus olhos tristonhos...
- Resultado de uma alegria bem vinda
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos...
- Um recanto de poucas palavras
Por fim...
- tenho um mundo e um moinho
- Eu tenho uma poesia
- Eu tenho uma cartola.


ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..