quinta-feira, 3 de julho de 2014

Enzimátzscico




quando o mundo passar 
ainda teremos a brandura 
do esquecimento.

a dor será dispersa
as pulsões sublimadas
o medo desenganado

o corpo enzimático
espuma cartilagem

como se tivessem pulmões  
as nuvens respiram minha carne
esmagam meus ossos 

daquilo que um dia foi 
aproveitam-se faianças feldspáticas
o som do fim dedilhando elementos percussivos

dormíamos
lá adiante com calma explodimos 



Por Claudio Castoriadis
Imagem fonte web

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..