segunda-feira, 19 de setembro de 2011

SARTRE: INFORMAÇÃO E LIBERDADE


‘“Informação” essa é a palavra de ordem que movimenta o mundo. Estamos constantemente surpreendidos por um dilúvio de informações. Somos uma esponja, estamos freneticamente absorvendo tudo que nos cerca, coisas boas e coisas ruins. O mundo já não é o mesmo, os valores estão sempre despencando sobre nossas cabeças, não é fácil acordar todos os dias e bater de frente com a mesma paisagem- fome, miséria, má distribuição de renda, corrupção, desemprego, matança desenfreada dos animais e a poluição do meio ambiente. Tudo isso delineia um mundo que se encontrar longe da perfeição. “Perfeição” conceito que vaga feito um cego na imensidão do absurdo. O mundo pede socorro, será que alguém se importa? Alguém sente falta de um mundo melhor? Será que o sinônimo de homem remete a destruição? Estupidez desnecessária? Nós respiramos e ainda vivemos, isso já é um começo, para enxergar tudo diferente, arriscar métodos e ações. Como? A partir de atos benevolentes vindos de cada um em especial. Como ajudar? O que pode ser feito?  Existiram pessoas, intelectuais que fizeram a diferença. Entre eles podemos citar Sartre.

 

O francês Jean-Paul Sartre (1905-1980) se encontra entre os filósofos mais populares do cenário contemporâneo. Sua obra era conhecida de estudantes, intelectuais, revolucionários e mesmo do público em geral pelo mundo afora. É bem verdade que essa popularidade, singular para um filósofo, devia-se em parte ao comportamento revolucionário de Sartre, porém, não se deve deixar em segundo plano seu papel de porta-voz do existencialismo, que pregava a liberdade última do indivíduo — era a instigante e envolvente "filosofia da ação" que nas mãos de Sartre, tornou-se uma bandeira de luta contra os valores burgueses. Mas o que seria o existencialismo? Ora, o existencialismo ou a filosofia da existência é uma vasta corrente filosófica contemporânea que se afirma na Europa logo após a Primeira Guerra Mundial, se impõe no período entre as duas guerras, se desenvolve, e se expande até tornar-se moda, sobretudo nas duas décadas posteriores à Segunda Guerra Mundial. Vale lembrar que, a época do existencialismo é época de crise: a crise daquele otimismo romântico que, durante todo o século XIX e a primeira década do século XX, garantia o sentido da história em nome da Razão, do absoluto, da ideia ou da Humanidade, fundamentava valores estáveis e assegurava um progresso certo e incontível; o idealismo, o positivismo e o marxismo são todas filosofias otimistas, que presumem ter captado o princípio da realidade e o sentido progressivo absoluto da história. O existencialismo, por sua vez, considera o homem como ser finito, lançado no mundo e continuamente dilacerado por situações problemáticas ou absurdas.

 A habilidade de Sartre para desenvolver ideias filosóficas e suas implicações não encontrou rivais no século XX, visto que o mesmo escrevia com bastante brilhantismo. Sartre expressou seu pensamento em obras filosóficas e também em romances, em obras dramáticas, em ensaios políticos, porém as primeiras já são suficientes para delinear sua concepção da realidade. Sartre aceita a teoria da intencionalidade de Husserl: conhecer ou ter consciência é sempre ter consciência de alguma coisa, e ter consciência de alguma coisa significa estar diante de uma presença concreta e plena que não é a consciência. A essência do homem não precede sua ação, se o homem se faz justamente.

                                                                                                                                                   Por claudio Castoriadis

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..