quarta-feira, 8 de maio de 2013

choque neurogênico

— A princípio 
Onde eu me vejo
Eu não sou










Claudio Castoriadis
Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >

William Gerald Golding: o Senhor das Moscas



William Gerald Golding nasceu em 1911, na Inglaterra. Em 1935, após publicar uma pequena coleção de poemas, gradua-se em literatura inglesa em Oxford. Trabalhou como escritor, ator e produtor em pequenas companhias de teatro até tornar-se professor em Salisbury.

Em 1940, entra para a Marinha inglesa. Durante a Segunda Guerra Mundial, participa da perseguição e afundamento do navio alemão Bismarck e também do desembarque das tropas aliadas na Normandia, em 1944. Após a guerra, volta a lecionar.

Seu romance de estreia foi O Senhor das Moscas, publicado em 1954. Na sequência, viriam Os Herdeiros (1955) e Queda Livre (1959), entre outros títulos. No ano de 1980, seu livro Ritos de Passagem rende-lhe o Booker Prize inglês, um dos mais importantes prêmios literários do mundo.

Em 1983, como reconhecimento pela sua obra, é agraciado com o Prêmio Nobel de literatura.

Golding morreu em 1993, deixando um romance inacabado, The Double Tongue (A Língua Dupla).



A LÍNGUA DUPLA - WILLIAM GOLDING

Na época de sua morte em 1993, a última obra de William Golding. O livro conta a história de Arieka como ela olha para trás sobre sua vida como um porta-voz do Deus Apolo, no primeiro século. A obra mostra um Golding voltado em um novo caminho criativo e ainda mantendo seu fascínio com a Grécia.




Por Claudio Castoriadis
Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >

Mortes de índios podem quintuplicar vítimas da ditadura




Você que reclama por seus direitos, já pensou no desaparecimento de aproximadamente 2.000 índios da etnia Waimiri-Atroari durante a ditadura militar? O sumiço dos indígenas, cujo território se estendia de Manaus até o sul de Roraima, ocorreu entre 1968 e 1983, época em que o governo federal construiu a rodovia BR-174 --ligando a capital amazonense a Boa Vista-- para atrair à região projetos de mineração de multinacionais.

Pense nisso, o preço que se paga em viver pode ser alto....Mas, não adianta resmungar feito um demagogo fascista que só pensa em vomitar o próprio veneno no seu próximo!! Depois de formado o alto índice de pobreza, se torna mais difícil lidar com as consequências que acompanham o fenômeno. Tenta pensar de verdade.

Não é de hoje que a sociedade capitalista vem se alimentando da exploração e alienação de milhões de seres humanos. 

Liberdade, respeito, dignidade para todos!! 




Por Claudio Castoriadis
Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >


ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..