quarta-feira, 24 de abril de 2013

Fa- "vela"


Mario Benedetti (1920-2009): “Que será de nós sem sua bondade inexplicável?”



O escritor uruguaio Mario Benedetti (1920-2009) desbravou em vida  escritos de teor filosófico e existenciais. Seus poemas tocaram o tema da morte, da solidão, de sentir a proximidade do fim.  “Mario ocupava um lugar muito maior do que ele mesmo achava”,   afirmou certa vez o português José Saramago. Os amigos se despediram dele com respeito e palavras que, unidas, configuram sua maestria. “Que será de nós sem sua bondade inexplicável?”, perguntou Eduardo Galeano.

Poeta, novelista, dramaturgo, crítico e jornalista, Benedetti pode ser considerado o maior nome da literatura uruguaia recente.  A poesia foi Intrínseca na sua pessoa, nunca parou de escrever, mesmo quando estava gravemente doente.




RESUMO

Resumindo
digamos que oscilamos
entre alegria e tristeza
quase como dizer
entre o céu e a terra
ainda que o céu de agora e o de sempre
se ausente sem aviso
as ideias vão se tornando sólidas
sensações primárias
palavras ainda em rascunho
corações que batem como máquinas
serão nossos ou de outros?
este choro de inverno não é igual
ao suor do verão
a dor é um preço / não sabemos
o custo inalcançável da sabedoria
pensamos e pensamos duramente
e uma paixão estranha nos invade
cada vez mais tenaz
mas mais triste
resumindo
não somos o que fomos
nem menos do que fomos
temos uma desordem na alma
mas vale a pena sustentá-la
com as mãos / os olhos / a memória
tentemos pelo menos nos enganar
como se o bom amor
fosse a vida

(Tradução de Denise Mota) 




Por Claudio Castoriadis

Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..