sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Democracia ou Barbárie?



Hoje em dias as grandes metrópoles- infraestrutura deficiente e alto custo de vida - vomitam concretos nas pessoas. Enquanto que no Nordeste famílias se viram como podem para sobreviver. Falta de recursos econômicos, fome, miséria. Muitas habitantes fogem da seca em busca de melhores condições de vida nas cidades onde são esmagadas por um dilúvio de indiferença - desprezados por uma cultura plastificada. Toda essa dinâmica é ditada por uma crise cognitiva, objetos ganham vida, pessoas são rebaixadas a coisas, a mero instrumento. Vivemos na época da coisificação do homem. Existe um culpado para esse tipo de distúrbio humanista? É inegável que sim. O estado - que beira em um niilismo frenético e não exteriora sua função de mediador de conflitos em determinados grupos gerando assim uma falsa consciência esclarecida. Segundo os especialistas que se ocupam do estudo da sociedade política, o sentindo primordial do Estado, qualquer que seja a ideologia que o suporte, é: a segurança, a justiça e o bem-estar. Portanto, tendo em mente o estado como um tipo de mãe abstrata, que deveria cuidar dos seus filhos, a segurança Pública, mais que um assunto dos governos, independentemente de sua esfera de atuação (federal, estadual e municipal) constituiria sua prioridade.




Por Claudio Castoriadis

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..