quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Mil platôs - vol. 5 Capitalismo e esquizofrenia



Mil platôs- Volume 5 é o mais profundo trabalho político de Deleuze e Guattari. O livro não tem uma linguagem fácil e de imediata compreensão para o grande público. Se bem que uma linguagem hermética não visa afastar leitores, mas sim, informar os mesmos didaticamente sem fazer  sentenças mais compreensíveis aos leigos em filosofia que pode levar a um empobrecimento no uso da disciplina em seu sentido clássico. Enfim,  sobre a obra e suas últimas descobertas, a primeira vista, ela parece, na verdade, um  longo manual de instruções, tirando todas as dúvidas e com todas as receitas para a prática de uma boa ação política. Deleuze e Guattari apresentam com uma rica terminologia dicotomica no campo social e político: “o Estado e a máquina de guerra”, “o sedentário e o nômade”, “territorialização e desterritorialização”, “o estriado e o liso”, e assim por diante. As distinções parecem proliferar infinitamente, mas todas elas giram em torno de um único eixo. O mundo é dividido em compartimentos e o texto nos convida a censurar uma esfera e afirmar outra — Abaixo o Estado! Viva a máquina de guerra nômade! Se ao menos a política fosse tão simples.

No entanto, ao prosseguirmos na leitura, percebemos que Deleuze e Guattari, com abundância de termos técnicos, como era de se esperar desses dois mestres na escrita, reviram vários pontos de vista dessa clara série de distinções. Abrindo um leque de possibilidades, onde os termos contrastantes, que alguns pensam como antípodas, não estão em oposição absoluta um com o outro. Os termos de cada distinção não são postos em contradição, mas sim em uma relação oblíqua ou diagonal, diferente e desconjunta. Não obstante,  quando analisarmos cada par mais de perto, descobrimos que nenhum termo é realmente puro, ou exclusivo de seu outro.  Estado sempre contém internalizada uma máquina de guerra institucionalizada; todo movimento de desterritorialização carrega consigo elementos de reterritorialização. As próprias fronteiras que separam os termos emparelhados, estão continuamente em fluxo. Finalmente, o que parecia ser o caminho assinalado da liberação revela, por vezes, conter paradoxalmente a dominação mais brutal: o alisamento do espaço social traz, às vezes, uma rigorosa hipersegmentação por interesses a fins; linhas de fuga revertem-se frequentemente em linhas de destruição, tendendo assim ao fascismo e ao suicídio entre outros males do o convívio social. A obra é organizada em quinze "platôs", que podem ser lidos de forma independente. O volume 5 inclui os platôs 12) 1227 - Tratado de nomadologia: a máquina de guerra; 13) 7.000 a.C. - Aparelho de captura; 14) 1440 - O liso e o estriado; e 15) Conclusão: Regras concretas e máquinas abstratas.


Fica mais uma dica de leitura! Cultura e filosofia para todos.


Por Claudio Castoriadis 





Mil platôs - vol. 5
Capitalismo e esquizofrenia
Gilles Deleuze
Félix Guattari
Tradução de Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa
Revisão técnica de Luiz B. L. Orlandi
Coleção Trans

264 p. - 14 x 21 cm
ISBN 978-85-73260-57-1
1997 - 1ª edição; 2012 - 2ª edição
Edição conforme o acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >

Mas o que é filosofia mesmo?

                         vídeo extraído do multimídia: O mundo de Sofia.

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..