sábado, 28 de julho de 2012

Nietzsche : A Crença de um sujeito, do livre arbítrio, da linguagem como estratégia dos fracos


2.4.  A Crença de um sujeito, do livre arbítrio, da linguagem como estratégia dos fracos

Frente a um leque muito amplo de possíveis crenças que contribuíram para a manifestação do aviltado e bem sucedido domínio do ressentido, convém ressaltarmos que a crença de um sujeito tornou virtude a doença do ressentido quando este cultivou a ilusão de que por traz do efeito existe uma causa, um substrato neutro com plena liberdade, um sujeito inteiramente livre, um ser agraciado por um livre arbítrio. Com isso, não fica difícil estruturar toda uma esfera ilusória em que um lobo tem liberdade para ser cordeiro e o cordeiro por sua vez tem toda liberdade em ser lobo. Em suma, a sagacidade da moral dos ressentidos é coroada pela crença em um sujeito amparado no livre-arbítrio envenenando seu adversário com uma doente consciência de culpa. Com efeito, embriagado pelo que Nietzsche define como fábula da liberdade inteligível o homem se encontra responsável por seus efeitos, por suas ações, logo em seguida por seus motivos e por último por seu próprio ser. Por esse motivo Nietzsche encara a ideia de alma como ligada ao aparecimento da má consciência. Expressando com eloquência que a crença em um sujeito e do eu não passam de superstição popular, jogos de palavras ou alguma sedução por parte da gramática.
Sendo assim, sua crítica à noção de subjetividade é precisa, uma vez que esta se encontra atrelada à função gramatical, servindo como base ao conceito de alma, átomo, substância e matéria. Nesse ponto, a Nietsche interessa elaborar sua crítica à linguagem desmascarando-a pela sua estreita relação com o que seria para o Nietsche um falsete metafísico. Por esse motivo, compreendendo a linguagem em sua esfera metafísica, Nietzsche definiu a gramática em um tom pejorativo, como “metafísica do povo”. Então temos verdade e linguagem como antípodas. O valor pragmático-linguístico é latente tanto no tipo nobre quanto no ressentido, porém, o que deveras importa a Nietzsche é o traço de caráter que particulariza o modo de ser daqueles que avaliam.
Por um instinto de autoconservação, de autoafirmação, no qual cada mentira costuma purificar-se, essa espécie de homem necessita crer no “sujeito” indiferente e livre para escolher. O sujeito (ou falando de modo mais popular, a alma) foi até o momento o mais sólido artigo de fé sobre a terra, talvez por haver possibilitado à grande maioria dos mortais, aos fracos e oprimidos de toda espécie, enganar a si mesmos com a sublime falácia de interpretar a fraqueza como liberdade, e seu ser assim como mérito (Nietzsche, 1998, p 37).
Em suma, percebemos que nesse contexto Nietzsche ironiza os princípios da subjetividade e da linguagem, muito em voga na filosofia moderna e ainda em sua época, velhas ideias a que desde sempre recorreram tantos filósofos: unidade, identidade, causalidade, finalidade etc. Contra essas velhas ideias Nietzsche vai trabalhar sua teoria das forças, defendendo o mundo como amontoado de forças em permanente combate umas com as outras. Segundo Nietzsche, ao conquistar a supremacia em relação à aristocracia guerreira, a classe sacerdotal se vale dessas crenças para ditar normas de condutas, principiando desse modo um intuito moralizador próprio de uma perspectiva ressentida. Nota-se, portanto, que Nietzsche não apenas desmascara as crenças do ressentido como também revela um mundo submetido a sucessivos mascaramentos ou ficções convencionais.

Nietzsche

 Uma Compreensão da Cultura do Ocidente

Como Sintoma de Decadência Moral

 

                                                                                                                      Cont...
Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..