sábado, 26 de novembro de 2011

E O SONHO VAI PARAR NO TEATRO...


 Sinopse



Sonho de um Homem Ridículo conta a história de um personagem solitário de São Petersburgo em pleno século XIX. Na época, a cidade era o centro de toda a Rússia, e como em toda grande cidade, os homens são introspectivos e mais voltados para si mesmos. É um personagem fantástico, pois com a introspecção a alma aflora de maneira exuberante, define Frateschi.

O personagem, um funcionário público, sabe que é ridículo desde a infância. Motivo de desprezo e zombaria de seus semelhantes,já não tem mais nenhum interesse na continuação da sua existência. Num dia inútil como todos os outros, em que mais uma vez esperava ter encontrado o momento de meter uma bala na cabeça, foi abordado por uma menina que clamava por ajuda. Ele não só recusa o apoio à criança, como a espanta aos berros.

Ao voltar para casa, não consegue dar fim a sua existência. Adormece e sonha com a sua própria morte, com seu enterro e com uma vida após a morte. Viaja pelo espaço e por desconhecidas esferas. Experimenta a terra não manchada pelo pecado original e conhece os homens na plenitude da sabedoria e equilíbrio. Ele acredita que aquilo tudo foi real, pois as coisas terríveis que sucederam não poderiam ter sido engendradas num sonho.

Ficha Técnica

Texto  Fiódor Dostoiévski
Dramaturgia e interpretação   Celso Frateschi.
Direção Roberto Lage
Cenário e Figurino Sylvia Moreira
Luz  Wagner Freire
Trilha Sonora  Aline Meyer
Imagens  Elisa Gomes






Suspiros de um solitário : "O Sonho de um Homem Ridículo"

Quem se atreveria a escutar os suspiros
Dos solitários e dos extraviados?
Ai, concedei-me a loucura, poderes divinos!
A loucura, para que, ao fim, acabe por crer
Em mim mesmo!

(Friedrich Nietzsche)

Creio que são poucas as pessoas que ao se deparar com as obras do Filósofo Nietzsche não se deixa levar pela sua bela e conturbada trajetória. Marcado por uma vida errante própria de um génio solitário suas palavras arrebatam as mais diversas almas pelo seu encanto e melancolia. Sua solidão grita em nosso imaginário da mesma forma que martelava seu nobre espírito. Com isso, faço das suas palavras inflamadas de solidão um convite para o mundo de um belo conto cujo título "O Sonho de um Homem Ridículo", de certo modo retrata o sentimento daqueles angustiados heróis que tanto suscitam exuberância em nossos corações. Narrado em primeira pessoa, "O Sonho de um Homem Ridículo", escrito por Dostoiévski, centra-se no relato feito por um sujeito acerca das suas amarguras e neuroses. Exaurido por conflitos teóricos durante sua trajetória intelectual o mesmo reconhece sua condição medíocre. Assim como em todas suas obras essa trama traz um forte apelo emocional cravando na alma dos seus leitores questionamentos existenciais e contundentes. De forma peculiar e intensa esse conto traz à tona toda a introspecção de um personagem dramático desorientado pelo racionalismo e moralismo que desde sempre lhe tortura. Com o decorrer do texto nos deparamos no centro de um monólogo de tirar o fôlego onde um sujeito no auge do desespero decide tirar a própria vida. Obra do acaso ou não durante suas andanças pelas ruas de São Petersburgo, o narrador olha para o céu e vê uma estrela solitária, pouco depois, uma menina vem correndo na direção dele. O narrador supõe que algo está errado com a mãe da menina, ainda assim a garota é deixada de lado, e solitário sujeito finda em seu apartamento amparado apenas por seus dispêndios. Um dos pontos auto da narrativa acontece especificamente quando o conturbado narrador se deixa tomar pelo sentimento de compaixão para com o sofrimento de uma pobre garotinha; o que possivelmente lhe traz reflexões sobre sua ligação afetiva com a humanidade, retardando a ideia de cometer suicídio. Numa noite desconfortante e sombria tal como a sua existência, ele irá adormecer em sua velha poltrona, e irá sonhar com uma espécie de “paraíso”, mas um paraíso que é na Terra e não em outro mundo. Com isso, o texto ganha um novo sentido onde o narrador-protagonista, tem uma revelação através de um sonho utópico. Mediante magnifico sonho o homem ridículo é agraciado por uma nova visão do instinto humano. O que ele vê são homens e animais convivendo pacificamente, numa terra onde todos se amam e compreendem a vida e a morte em perfeita harmonia. Os vivos não choram diante dos mortos, se alegram; e os mortos não lamentam, partem amando. Ele se convence de uma verdade exuberante: Pois eu vi a verdade, sei-o; os homens podem tornar-se belos e felizes sem que, para isso, tenham de deixar de viver na Terra. Eu não quero nem posso crer que a maldade seja o estado normal do homem. Mas eles troçam desta minha crença. Não acreditam em mim! Eu vi a verdade!  Certo dia, o narrador começa a ensinar os outros habitantes como cultivar novos valores. Isto gera a corrupção do paraíso: Indiferenças, mentiras, orgulho e um diluvio de outros pecados. Logo, o primeiro assassinato ocorre. As divisões são feitas, as guerras são travadas a discórdia é propagada. A ciência sufoca os valores mais nobres, o conhecimento se personifica como uma pérfida ferida e os membros da antiga utopia são incapazes de lembrar a sua forma de vida anterior- Esse momento da narrativa é incisivo por abrir um leque de possibilidades para se pensar a natureza humana em sua complexidade e morbidez. O narrador então acorda. Agora agraciado por um novo sentido, completamente transbordando de alegria com a vida. Ele promete passar o resto de seus dias pregando a verdade que ele viu. Sua principal lição? É a de amar os outros: e desde então anuncio a boa nova!...Amo-os a todos, e mais que a ninguém, aqueles que riem de mim. Por amo mais a estes? Não sei, nem tampouco posso explica-lo, mas é assim. Dizem que estou enganado...

Boa leitura!!!

Por Claudio Castoriadis 

Veja também o curta : O sonho de um homem rídiculo
Direção: Aleksandr Petrov
Roteiro: Alexandr Petrov, baseado na obra de Fiódor Dostoiévski
Título Original: Son smeshnogo cheloveka
Origem: Rússia
Duração: 20 min
Idioma: Russo
Legendas: Português

http://www.youtube.com/watch?v=LZZPMxxqZPo&noredirect=1
Sobre o Autor:
Claudio Castoriaids Claudio Castoriadis é Professor e blogueiro. Formado em Filosofia pela UERN. Criador do [ Blog Claudio Castoriadis ] Tem se destacado como crítico literário.Seu interesse é passar o máximo de conhecimento acerca da cultura >

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..