quinta-feira, 22 de março de 2012

Carta de tolstoi falando sobre sua pesquisa sobre guerra e paz.

Moscou, 27 de setembro de 1867
 
Acabei de voltar de Borodinó. Estou muito feliz, muito, com a minha viagem e também com a forma com que a suportei, apesar da falta de sono e de comida decente. Se Deus me conceder saúde e tranquilidade, escreverei uma batalha de Borodinó como nunca se viu. Sempre me exibindo! Sonhei com você na noite que dormi no monastério, e foi um sonho tão claro que quando me lembro dele é como se lembrasse de algo que aconteceu de verdade, e penso em você com medo.

Não lhe escrevo os detalhes da viagem, os darei de viva voz. Na primeira noite viajei cem verstas até Mojáisk e já perto do amanhecer dormi um pouco na estação; na segunda noite dormimos no albergue do monastério. Me levantei na aurora, voltei a percorrer o campo, e durante o dia todo viajamos de volta a Moscou.

Recebi suas duas cartas. Fiquei triste com o que houve com a Tânia, a mais velha, e senti medo, muito medo pela pequena Tânia. (Eu a conheço, a vejo e a amo, e temo por ela com essa febre alta.) Mas o principal é que suas cartas fizeram com que me sentisse bem porque você está nelas. E você põe o melhor de você nas cartas que me escreve e nos pensamentos que me dedica. Na vida cotidiana, ao contrário, a aversão e a predisposição à discussão sufocam isso com frequência. Eu sei.

Pedirei mil rublos a Perfíliev e serei rico e comprarei para você o chapéu e as botas e tudo o que me pedir. Sei que vai ficar brava que eu peça dinheiro emprestado. Não fique brava; peço para gozar de certa liberdade durante essas primeiras semanas do inverno, para não estar apertado ou angustiado por questões de dinheiro, e para isso tenho pensado em economizar esse dinheiro o máximo possível e tê-lo só para saber que está ali, caso precisemos despedir alguém que esteja sobrando ou que não sirva etc. Você me entenderá e saberá me ajudar. Suas cartas, querida, me dão um grande prazer, e não me venha com a bobagem de que eu as dou para outras pessoas lerem.

Aproveitei minha visita a Borodinó e tive a consciência de estar fazendo o que tinha de fazer; o que eu não suporto é me ver na cidade, e você diz que eu gosto de me perder pelas ruas. Não sabe como eu gostaria que você gostasse da aldeia, nem que fosse uma décima parte do que eu a amo, e que detestasse a vaidade oca das cidades, nem que fosse uma décima parte do que eu a detesto. Amanhã irei à casa dos Perfíliev para lhes agradecer, verei Rees, farei compras, e se tiver terminado tudo e Diákov estiver pronto, partirei sexta-feira pela manhã. Adeus, querida, beijo para você e para as crianças.



Carta traduzida do espanhol

quarta-feira, 14 de março de 2012

Fora do lugar


Saliva nos olhos
Lágrimas na boca
Coração na mão
Um beija- flor beijando
Pedra

Um sabiá cantando samba
Um João de barro morando
Em um aquário
Um roxinho bêbado-
 Em plena manhã

Um sabiá que não canta roco
De tanto tanto cantar uma coruja

Laranjeira verde, em um vulcão
Adormecido
Palmeiras verdes e saudáveis

Um livro sem capa pairando no ar
É tudo mentira, retórica e blá blá
Silêncio, silêncio que agora minha
Poesia vai calar e a banda? 
a banda vai passar...


Por Claudio Castoriadis


terça-feira, 13 de março de 2012

A moda nossa de cada dia.

Uma temática que penso ser bastante relevante para o comportamento humano é a questão da moda. Pensar uma tendência que a cada dia ganha mais seu espaço em nosso cotidiano deveria ter mais relevância no mundo intelectual. De uma abordagem artificial seria mais sensato que tal fenômeno fosse trabalhado com bastante cuidado: no momento mesmo em que a moda não cessa de ganhar importante espaço em nosso meio social, não cessa de acelerar sua legislação fugidia, de invadir novas esferas, ganhar novos horizontes, de arrebatar em seu contexto todas as camadas sociais, todos os grupos de idade, deixa impassíveis aqueles que têm vocação de elucidar as forças e o seu encanto no funcionamento das sociedades modernas. Como se fosse uma paisagem, a moda é celebrada no museu, a moda nossa de cada dia é relegada à antecâmara das preocupações intelectuais reais; não podemos negar que a mesma está por toda parte na rua, na indústria e na mídia, porém quase não aparece de forma detalhada nos grandes pensamentos teóricos das cabeças pensantes. Esfera tipicamente artificial, por assim dizer, e socialmente inferior, não merece a investigação problemática; questão superficial que desencoraja a abordagem conceitual; a moda suscita o reflexo crítico antes de estudo objetivo, é evocada principalmente para ser fastigada, para marcar sua distância, para deplorar o embotamento dos homens e o vício dos negócios: a moda é sempre os outros. Com isso, o que nos resta na maioria das vezes são, breves resenhas, crônicas jornalísticas, subdesenvolvidos em matéria de compreensão histórica e social do fenômeno. Ora, a moda com um certo grau de raciocínio segue uma linha  existencialista, pode ser pensada como sendo a maneira de vestir-se e comportar-se, não importa os limites e convenções sociais, o sujeito sempre afirma sua identidade mediante uma moda, e para isso a escolha de um estilo de vida e estética é imprescindível. Mediante essas considerações como não pensar a moda como um meio de exercer a liberdade, sempre inventando, criando e recriando?

Por Claudio Castoriadis

quinta-feira, 8 de março de 2012

Fernanda Montenegro e Simone de Beauvoir




Em Viver sem tempos mortos, Fernanda Montenegro dá voz aos pensamentos de Simone de Beauvoir (1908-1986), escritora e pensadora francesa que foi ícone da liberdade feminina. A encenação – como Fernanda gosta de chamar, por ser menos pretensioso do que uma peça – faz parte do projeto Caminhos da Liberdade, que inclui palestras e exibição de documentário sobre a escritora. Ao Mulher 7×7, a atriz explica por que voltou à obra de Simone de Beauvoir e diz que Irmã Dulce é a brasileira que lembra o legado da libertária francesa.
                             
Como a senhora define esse novo projeto sobre Simone de Beauvoir?
Fernanda Montenegro - Ele não é nem uma peça. É uma encenação. Eu diria que é quase o porta-voz de uma escrita, de um pensamento, da vivência de uma mulher que tem uma obra inesgotável.

A senhora leu Simone de Beauvoir na juventude, durante a ascensão do movimento feminista. Como foi voltar a ter contato com sua obra?
Fernanda - Foi uma espécie de volta à extrema mocidade. Nessa releitura, vi que ela é fantástica. Um ser que se usou como instrumento de sua teoria. Fez de seu sentimento e de sua busca pela liberdade o próprio campo experimental. E isso custa contestação e rejeição que, de certa forma, duram até hoje. Se o mundo ousasse tudo o que ela ousou, ela não sofreria tanto preconceito, especialmente na terra dela, a França. É uma mulher muito interessante e forte em suas convicções.

Naquele início de 50, quando a li pela primeira vez, foi uma descoberta ter uma visão racional como a dela do que era ser mulher. A história sempre teve mulheres que fizeram sua vida na liberdade. Mas o que ela fez foi sistematizar a visão do que é o ser feminino. E foi interessante ver que nós podemos ser o que nós somos. Temos o direito de buscar o que queremos. Talvez um pouco antes dessa época a mulher, para cortar o cabelo, precisava da autorização do homem. Não por causa de fetiches eróticos, mas porque precisava da permissão de um senhor. Depois da guerra, nos anos 50, isso já tinha diminuído, mas acho que existe até hoje, mesmo que envergonhado.

Como a senhora vê a evolução da condição da mulher pelas últimas décadas?
Fernanda - Não sou uma especialista em feminismo, não sou antropóloga ou socióloga. Mas as coisas avançaram muito. O homem hoje está assustado. Por “n” razões que a gente ficaria aqui um dia inteiro jogando na mesa, mas basicamente porque as mulheres vieram também para a vida fora do lar. Vieram para o convívio “do perigo”. Saíram da gaiola, do domínio absoluto do espaço doméstico.

A senhora já sofreu com o machismo?
Fernanda - Vou lhe dizer uma coisa: a nossa profissão, o teatro, é libertária. Hoje, talvez, as pessoas confundam teatro com televisão e, pensam que, você indo para a televisão, você é um artista, um ator. Mas, nos velhos tempos, era uma audácia vir para esse campo. O teatro sempre teve isso. Se ao lado de um ator de enorme talento tiver uma atriz de enorme talento, eles são iguais. O teatro sempre foi um campo muito liberto. Não havia isso de se submeter, da relação de dono e domado.

Por que Simone de Beauvoir?
Fernanda - Porque calhou. Foi o acaso. Um dos conceitos do existencialismo é que a última palavra é sempre do acaso. Sérgio Britto, meu querido amigo, propôs fazermos Simone e Sartre. Por “n” caminhos, ele seguiu com seu espetáculo Beckett, que é um extraordinário sucesso, e fiquei com a bagagem de Simone, com quem já estava envolvida há um ano. E, com a produtora Carmen Mello, fizemos esse projeto cultural e educacional confiantes, embora muitos achem um absurdo levar Simone de Beauvoir pela periferia. Tem gente que acha que algo mais do que o elementar não vai ter ressonância, credibilidade, interesse. Mas nós fomos bem recebidos em seis cidades da Baixada Fluminense e da Serra fazendo apresentações de graça ou com um preço muito acessível, de R$ 2 e R$ 4.

A senhora pode explicar o significado do título da encenação, Viver sem tempos mortos?
Fernanda - É um dos slogans da revolução de 1968, da revolução dos jovens. E Simone de Beauvoir, em certo momento, disse que viveu dessa maneira. Achamos que era um título interessante para a encenação dirigida pelo Felipe Hirsch. Era a compilação de uma compilação. Ele leu, achou que poderia dar uma coisa viva e radicalizou. Fez uma encenação muito clean, minimalista. É mais um porta-voz do que um dó-de-peito. Não se pretende imitar trejeitos ou exibir. É muito simples. Nunca fiz nada tão minimalista.

Como vocês chegaram a esse formato?
Fernanda - Esperei que ele chegasse. Acredito muito na palavra, na força do pensamento explicitado. Não acho que teatro deva ser só isso. Mas há uma escrita que pode não ser de dramaturgia mas pode ser adaptada e elaborada para o teatro e ter sua força. Quanto menos a gente mexer e se mexer e se exibir, melhor. Porque o pensamento já é tão forte, o sentimento já é tão forte… Eu esperei que ele, diretor e encenador, chegasse a isso. Cada vez que ele limpava o cenário, eu ficava mais feliz. Dentro da minha alma, dizia: “É isso mesmo”. Quando finalmente ele tirou tudo, achei: “Ah, que bom, que maravilha!”

O que devemos aprender com Simone de Beauvoir hoje?
Fernanda – O sentido da liberdade. E ser livre é difícil. Ela mesma diz: “ser livre é assustador”. O que é, no fundo, a liberdade absoluta? Em que isso se mistura com necessidade neurótica com isolamento?

É possível comparar sua relação com Fernando Torres com a relação de Simone de Beauvoir com Jean-Paul Sartre?
Fernanda - São vidas completamente diferentes. O que talvez tenhamos em comum é aceitar a liberdade e os caminhos da liberdade, que podem ser muitos também. Não existe só o caminho dela ou o do Sartre.

A senhora conversou sobre feminismo ou sobre Simone com sua filha (a atriz Fernanda Torres)?
Fernanda - Não, isso nunca foi uma questão. Lá em casa não se viveu e nem se vive esse problema. Somos mulheres peitudas desde avós, de bisavós. Os homens têm que ter coragem para se meter com a gente, somos de uma boa safra.

Como a senhora gostaria que as pessoas vissem seu novo trabalho?
Fernanda - Como uma ponte de sensibilização. Ele não tem nenhum gancho para pegar a plateia. Ela que tem que entrar. A encenação não tem nenhum golpe cênico, nenhum ruído que o acorde na cadeira. Foi onde pudemos chegar com esse material tão inquietante sem esgotar o assunto. É o arranhar de uma temática imensa.

E qual foi a reação das pessoas diante de Simone?
Fernanda - As mais variadas, inclusive confissões. Ouvi, por exemplo, de uma mulher: “Tenho três filhos de pais diferentes e não sinto falta deles. Crio todos sozinha. Portanto, tenho uma vida livre.” Um senhor disse: “Mas se ela tinha orgasmo completo com esse amante, como largou esse homem para ficar com outro que não lhe dava o famoso orgasmo completo”? Outros dizem assim: “Ela fala tanto em liberdade mas era submissa a ele! Era entregue a ele, não conseguia se livrar dele”. Vem o discurso da vida, não o acadêmico ou o das discussões filosóficas. Queríamos dar algo mais do que uma coisa eletrônica do que um rádio ou uma televisão: queríamos a comunicação humana direta. E aproveitamos para “dessacralizar” essa coisa do artista. Parece que você não tem cárie no dente, caspa, dor de barriga, calo, isso para não dizer coisas mais escatológicas.

Existe uma brasileira comparável a Simone?
Fernanda - Vou dizer um absurdo. Mas, é verdade: irmã Dulce. A baianinha de família rica que resolve ir para o convento contra tudo e contra todos e faz o trabalho social que ela fez, de porta em porta. É um exemplo extraordinário. Não porque entrou numa igreja, numa religião, mas pela liberdade de ir contra tudo e contra todos e fazer uma obra social enorme. Porque a liberdade pode ser ter muitos parceiros ou ter parceiro nenhum. O que significa a liberdade? Uma vez, vi uma entrevista quando estava em Paris. Era um programa sobre liberdade. Estavam entrevistando diversas pessoas. O jornalista foi a um convento das carmelitas e entrevistou uma freira que estava atrás de uma porta. Ele não via a mulher e nem ela o via. E ela falando de liberdade. E ele disse: “Mas a senhora está falando de liberdade atrás de uma porta, de onde a senhora não tem nem permissão de me ver! Como a senhora explica isso?”. Ela respondeu: “Liberdade, para mim, é um ser humano estar onde ele deseja estar.”


Por: Letícia Sorg, repórter especial de ÉPOCA em São Paulo.



sábado, 3 de março de 2012

uma lembrança amiga.



hoje eu acordei pop
comendo lixo entre os bichos
sendo falado em outras línguas
 podre de chique

um miserável contemporâneo 


Sem espaço, apenas tempo, assim clama meu abismo, náusea, delírios, silêncio-  um ridículo desapontado por sua criação aviltada.

Um desespero, sutil, leve como uma brisa matinal, o trágico me cai bem, tudo tão grosseiro e intencional - encontro prazer na prole pervertida.

Eu sou uma propaganda dissimilada em um muro que resplende, eu sou puro improviso, um fundamento desagradável.

Dentro de um livro almas sapientes, dentro do meu quarto um fulgor faiscante, entre as paredes... Uma lembrança vadia. 






Por Claudio Castoriadis

ShareThis

Licença Creative Commons
Claudio Castoriadis- O conteúdo deste site está licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3,0 ..